O nascimento de Dioniso

 

 «Há muito, muito tempo, ainda antes de Gregos e Romanos se expandirem pelas margens do Mediterrâneo, as suas divindades e heróis deambulavam pela Terra e pelo céu. Sobre o solo pedregoso, da morada celeste, o monte Olimpo, as oliveiras e as vinhas cresciam, prósperas; ali se produziam vinhos capitosos e doces, com um leve sabor a resina, que os deuses tanto apreciavam. Um deles, Dioniso, filho de um deus e de uma mortal, apreciava particularmente os preciosos néctares. Turbulento, imprevisível, sonhando unicamente com festas, danças e teatro, ele não se embriagava, aliás, apenas com vinho - os seus dias eram uma sucessão de bebedeiras, excesso e lúxuria... Mas ninguém se admirava destas curiosas tendências, tão envolto em prodígio fora o seu nascimento...

Naquela época, a cidade de Tebas, na Beócia, resplandecia. Uns ares do oriente, com perfumes da Fenícia sopravam aobre a planície e refrescavam as encostas do monte Parnaso, não longe dali. Na cidade, todos se maravilhavam com a beleza da princesa Sémele. A fama da sua graciosidade e elegância já tinha extravasado muito para além das portas do palácio, onde Cadmo, o rei, seu pai e Harmonia, a rainha, sua mãe se extasiavam dia e noite perante a sua filha. Naturalmente, em breve os pretendentes começaram a afluir, mas todos eram rejeitados, na esperança de que um mais belo, mais poderoso, mais rico, viesse porventura apresentar-se. Ora, aconteceu que um dia o próprio Zeus chegou ao palácio... Vinha admirar a jovem Sémele, cuja beleza, dizia-se era exaltada até ao cimo do Olimpo. Maravilhado perante tanta graciosidade, logo a seguir possuído de um violento desejo, Zeus decidiu torná-la sua... e desta união nasceu alguns meses mais tarde - muito antes do tempo - um bebé frágil e nervoso.

 

Naturalmente, estes amores e o nascimento de uma criança não deixaram de provocar os ciúmes de Hera, a esposa de Zeus, exasperada pelas inúmeras transgressões do seu divino esposo. Tantas vezes vai o cântaro à fonte que um dia deixa lá a asa... A deusa decidiu vingar-se. Escutando apenas o seu coração ávido de represálias, decidiu que desta vez os seus sombrios desígnios seriam realizados pelo próprio Zeus...

 

Tomando a aparência da ama que Sémele escolhera para seu filho, Hera aproximou-se dela. Desempenhando perfeitamente o seu papel, tomou conta do bebé, prodigalizando conselhos sobre a sua educação e ousando mesmo expressar algumas críticas: a criança não via o pai tanto quanto seria de desejar... Era boa altura para tomar consciência da importância e do poder dele... Porque não fazê-la contemplar Zeus em toda a sua glória e esplêndor? Era o deus do Céu e da Terra, dos outros deuses e de todos os homens! Para levar a bom porto o seu maquiavélico plan, a falsa ama embalava a criança enumerando os vários poderes de seu pai: "Senhor da chuva e dos ventos, da neve e do bom tempo; senhor dos poderes da vida, da fecundidade, dos frutos e das colheitas; senhor das regras e das leis, garante de todos os juramentos e de todos os tratados; protetor dos fracos e dos mais pobres; senhor da família e do lar; senhor da amizade e da hospitalidade; senhor dos exércitos e da coragem, da estratégia e da vitória... Mas também senhor da tempestade, dos raios e das trovoadas!", acrescentou ainda com voz sepulcral enquanto a criança por fim adormecia.

 

Ladainha surpreendente, na verdade, mas que acabou por convencer Sémele... De fato, o fruto dos seus amores pelo maior de todos os deuses devia tomar consciência do prestigio e do poder do seu pai. Para isso, iria ter com o seu divino amante para persuadi-lo a aparecer perante o filho em toda a sua grandeza. Foi fácil... Que amante não prometeu algumavez - como Zeus logo que viu Sémele - realizar todos os desejos da sua amada? Então, envolto em luz, ostentanto todos os atributos do poder, Zeus atravessou o palácio e aproximou-se do filho. À sua passagem, todos se inclinavam em sinal de vassalagem, sem ousar fitá-lo. A luz e o ruído eram terríveis, como igualmente o era a impressionante estatura do rei do Olimpo. Muitos pensaram que a criança, ao ver assim o seu pai, iria adquirir algum daquele poder e passar a estar incluída na linhagem real.

 

"Como são ingénuos!", murmurou Hera. Ela sabia que ninguém, nem mesmo o filho do deus, poderia sobreviver a uma tal confrontação: qualquer mortal que contemplasse aquela magnificência morreria imediatamente... e aquela criança era apenas um semi-deus - logo, mortal...

 

Quando Zeus se aproximou do berço, a criança, vigiada pela mãe, areceu mais agitada do que o habitual. O ambiente era pesado. de súbito, a luz resplandecente de um relampago iluminou a noite, enquanto o céu e a Terra começavam a tremer... Um raio escapou-se do punho fechado do deus, que tentou retê-lo! Mas, apesar de todos os seus esforços, o raio atingiu Sémele e o bebé! O fogo divino queimou tudo. Num segundo, a própria grandeza de Zeus roubava-lhe a sua amada e o seu filho!

 

Mas isso era sem contar com os infinitos recursos do poder divino... Porque Zeus amava o filho e queria que ele vivesse. No próprio momento daquela curta e terrível tempestade desencadeada pelo seu poder, ele conseguira agarrar na criança sem que ninguém, nem mesmo Hera, se apercebesse disso. E apertara-a com tanta força contra a sua perna que na sua coxa se abriu um golpe para dentro do qual o recém nascido deslizou. A seguir, o deus coseu ele próprio o seu ferimento.

 

 

Durante três meses, houve quem notasse uma excrecência que deformava ligeiramente a coxa de Zeus, mas ninguém ousou referir o fato, tal a sua irritabilidade desde a morte da sua amada... Depois, um dia, os mais próximos do deus assistiram a um acontecimento extraordinário: a coxa do deus abriu-se e, uma vez mais, Dioniso - cujo nome significa "duas vezes nascido" - veio ao Mundo! Mas desta vez nasceu forte e vigoroso e manifestou desde esse instante um furioso apetite de viver...»

 

Fabulosos Mitos e Lendas de Todo o Mundo, Selecções Reader's Digest

 

 

Etiquetas

  1. Apolo
  2. gravidade
  3. Eletromagnéticas
  4. deuses gregos
  5. Cristianismo
  6. Sete Céus
  7. Dança de Kali
  8. Figuras cristianismo
  9. Medusa
  10. Bibliografia dos Anjos
  11. Hino a Dioniso
  12. Cartago
  13. ADN/ARN/Proteínas
  14. África
  15. Argélia
  16. Onda
  17. Fausto
  18. Adolf Hitler
  19. Píramo
  20. Tisbe
  21. Prometeus
  22. Galáxias
  23. Sol
  24. Mercúrio
  25. Vénus
  26. Lua
  27. Marte
  28. Outros Habitantes do Sistema Solar
  29. Reflexão
  30. Alma da Borboleta
  31. Amantes Separados
  32. Memorando de Tanaka
  33. Átomos
  34. artigos
  35. Afrodite
  36. Formação Terra
  37. WWI Consequências
  38. Evolução da Vida
  39. Caos
  40. Extinções
  41. Menu
  42. Urano (deus)
  43. ghetto
  44. Atlântida
  45. Extinção do Cretáceo - Paleogeno
  46. Extinção Triássico - Jurássico
  47. Energia e reações químicas
  48. Gaia
  49. Cassandra
  50. Baudelaire
  51. mecanismos da evolução
  52. Freud
  53. Benim
  54. livros
  55. Psicanálise
  56. Botsuana
  57. Taquião
  58. Massacre Nanquim
  59. Apolo - o deus
  60. Apolo - Culto
  61. Hanuman
  62. I Guerra Mundial - o conflito
  63. Japão na China
  64. Evolução
  65. News
  66. Permiano-Triássico
  67. Mitos
  68. Contador de Histórias
  69. Eco e Narciso
  70. Torre de Babel
  71. Desobediência
  72. Lilit
  73. sapateiro
  74. Erlkönig
  75. Elanor
  76. Home
  77. Átridas
  78. Dioniso
  79. Mein Kampf
  80. Guerra da Criméia
  81. Teoria das Cordas
  82. Glossário de Biologia
  83. oriental
  84. utilizadores
  85. Universo
  86. Terra
  87. tempo-espaço
  88. Elfos
  89. mitologia
  90. Partículas Elementares
  91. Deuses e heróis
  92. Anjos
  93. Hierarquias angelicais
  94. Biologia
  95. Sistema Solar
  96. Forma do Universo
  97. Chang E
  98. História
  99. Forças Fundamentais
  100. Religiões Abraâmicas
  101. cancro
  102. Reprodução
  103. Hereditariedade
  104. Genes
  105. Célula
  106. Mitos de Criação
  107. Mitologia Nórdica
  108. Brunilde
  109. Siegefried
  110. Anel dos Nibelungos
  111. Baldur
  112. Cupido/Psique
  113. O Principio
  114. Judaísmo
  115. Difração
  116. som
  117. cor
  118. Multiverso
  119. Big Bang
  120. Islão
  121. Nebulosas
  122. Estrelas
  123. Júpiter
  124. Saturno
  125. Úrano
  126. Neptuno
  127. Planetas Anões
  128. Doppler
  129. Leis de Newton
  130. Fusão Nuclear
  131. Luz
  132. Deméter